Home Mais Esportes Xadrez se aproxima dos e-sports e luta contra o “doping virtual”

Xadrez se aproxima dos e-sports e luta contra o “doping virtual”

O último grande evento de xadrez da temporada foi interrompido no meio. O Torneio de Candidatos, que define o desafiante do então campeão mundial, estava sendo realizado em Ekaterimburgo, na Rússia, em março, quando a Federação Internacional de Xadrez (Fide) decidiu suspendê-lo em meio ao fechamento de fronteiras como medidas de contenção ao novo coronavírus.

Sem perspectivas de retomar as partidas presenciais, a solução foi se render ao digital. O site Chess.com, um dos maiores no ramo, registrou até o fim de novembro cerca de 13 milhões de novos usuários no ano, um aumento muito acima do habitual. As transmissões, com direito a narração e comentários, se multiplicaram nas plataformas de streaming, e os números de visualizações atraíram a atenção das empresas de e-sports.

Em maio o americano Hikaru Nakamura, número 1 do mundo no ranking de blitz, modalidade rápida do xadrez, começou a receber sondagens diante do sucesso de suas transmissões no Twich. E, em agosto, foi anunciado pela gigante TSM.

– Outros enxadristas também foram abordados. Isso é um grande sinal. Adoraria ver mais organizações envolvidas e criando uma liga de e-sports muito séria, com times de Grandes Mestres que jogam online numa atmosfera como a de League (of Legends) ou Valorant – disse o americano ao ge.

Nakamura vê o online como uma porta única de conexão entre os maiores nomes do esporte e os fãs, com a oportunidade de responder a dúvidas e compartilhar o raciocínio por trás de cada movimentação no tabuleiro. Ele sabe que a postura não agrada ao mais “puristas”, jogadores mais tradicionais. Mas os ignora em prol do crescimento do esporte.

– Há críticos que dizem que só estou fazendo isso por dinheiro, que estou arruinando o xadrez clássico tornando a blitz tão popular. Eu ignoro a maioria. Há quem diga que esses fãs não pertencem ao xadrez porque eram gamers primeiro. Essa toxicidade é ruim para todos os jogadores de xadrez. Preciso não responder diretamente, mas liderar pelo exemplo.

Os tops mundiais não são os únicos a aproveitarem esse boom. Jogadores sem qualquer titulação da Fide mas com bom conhecimento do esporte e habilidades de comunicação e edição conquistaram um público fiel em sites como Youtube e Twich.

Raffael Santos trabalha com manutenção eletrônica e tinha o xadrez como hobby quando decidiu criar o canal Raffael Chess, há dois anos. Hoje ele é um dos principais do Brasil, com quase 17 milhões de visualizações e com um fluxo crescente mês a mês.

O combate ao “doping virtual”

Proteger os jogadores profissionais de interferências externas é um dos grandes desafios para consolidar a popularidade do xadrez virtual com confiabilidade que permita a realização de grandes eventos. Isso porque há diferentes formas de trapacear jogando com auxílio da computação.

– Diferentemente de um esporte físico, o xadrez é um dos únicos esportes que, com ajuda de uma trapaça qualquer, um iniciante consegue ganhar de um campeão mundial. No tênis, por exemplo, você pode ter todo o doping do mundo que um iniciante nunca vai ganhar do (Roger) Federer.

– No xadrez há aplicativos grátis e de fácil acesso. É gritante – disse o Grande Mestre brasileiro Krikor Mekhitarian, Diretor de Conteúdo em português do site Chess.com e agora também jogador da equipe Fúria.

Krikor afirma que as principais plataformas de jogos estão investindo pesado em segurança. Usam algoritmos e modelos estatísticos que identificam padrões comuns a quem está tentando fraudar o sistema, o que permite um banimento automático de mais de 70% das contas suspeitas.

LEIA MAIS

- Advertisment -

Popular

Fred sonha com vaga direta do Fluminense na Libertadores

Camisa 9 lembra desconfiança sobre elenco no início da temporada: "Serviu para nos fortalecer" Oito anos depois, o Fluminense está de volta à Libertadores. E mais uma...

Joia do Bayern, Musiala decide defender seleção da Alemanha

Com dupla nacionalidade, meia-atacante de quase 18 anos se tornou o inglês mais jovem a marcar na Liga dos Campeões na vitória bávara sobre...

Veja a lista dos concorrentes na 22ª edição do Prêmio Laureus

Lista não tem brasileiros. Astros e estrelas como LeBron, Hamilton, Nadal e Naomi Osaka concorrem. Bayern de Munique e Liverpool disputam melhor equipe do...

Veja os recordes que Djokovic bateu e quais marcas ainda podem ser batidas

Sérvio já está entre os maiores da história do tênis Campeão do Australian Open pela nona vez, Novak Djokovic já atingiu alguns recordes históricos no...