Home Mais Esportes Após caso Tifanny, FIVB regulamenta presença de pessoas trans em seleções de...

Após caso Tifanny, FIVB regulamenta presença de pessoas trans em seleções de vôlei

Tifanny Abreu sentiu que na prática existem dificuldades para a inserção nos campeonatos da FIVB

A Federação Internacional de Vôlei (FIVB), dirigida pelo brasileiro Ary Garcia, criou pela primeira vez normas para conceder a participação de mulheres trans em competições internacionais. Quase três anos após impedir a possibilidade de Tifanny chegar à seleção do Brasil e comunicar que estava produzindo estudos sobre o tema, a FIVB modificou o seu livro de normas, para na prática, complicar a vida de jogadoras como a da atleta do Sesi/Bauru.

Até Tifanny comparecer na Superliga, o vôlei praticava a recomendação do Comitê Olímpico Internacional (COI), que estabelece um limite de 10 nmol/L de testosterona no sangue, que necessita ser conservado por um ano antes da estreia e ao longo de toda carreira da atleta trans.

Cumprindo essa condição, Tiffany foi aceita na liga brasileira, porém durante o tempo em que ela fazia sucesso no Brasil, a FIVB determinou que não permitiria trans em seus torneios até que o caso fosse melhor estudado.

A atleta nunca foi procurada para realizar testes médicos e agora as novas normas não impõe qualquer padrão, como fez a World Athletics, por exemplo. As normas são subjetivas. O jogador que quiser modificar seu registro de gênero – como Tifanny, que antes atuou no masculino – e jogar campeonatos da FIVB necessita passar por uma banca, o “Comitê de Elegibilidade de Gênero”, que vai apontar se o atleta possui vantagem competitiva pela alteração de gênero.

Veja também: Racing x Flamengo: confira prováveis escalações, desfalques e arbitragem

No entanto, não existem critérios claros. O documento relaciona que a FIVB pode considerar “qualquer aspecto fisiológico (por exemplo, natureza da mudança, peso, IMC, altura, massa muscular, etc.), médico (por exemplo, natureza e época da mudança, níveis de testosterona, operação de alteração de sexo, novos desenvolvimentos científicos, medições do receptor muscular, descobertas, etc.), esportivos (por exemplo, posição e experiência participando de outro gênero, desempenho esportivo em ligas nacionais), e sejam quaisquer outras considerações enviadas pela atleta ou solicitada pelo comitê”.

Chama a atenção o quesito à “operação de alteração de sexo”, algo que demonstrava ser superado no esporte. Em 2015, a Corte Arbitral do Esporte (CAS), resolveu que era ilegal o “teste de verificação de sexo” que a World Athletics ditava a jogadores que se cogitavam serem hermafroditas. Desde este momento, é ponto pacífico que nenhum atleta é forçado a falar ou expor como é sua genitália.

A nova regulação da FIVB fala que o Comitê de Elegibilidade de Gênero tem de ser formado por um “perito legal”, um “perito médico” e um jogador nomeado pela comissão de atletas da FIVB. Também é regra que ao menos um indivíduo seja homem e um seja mulher. O livro de normas não estabelece o prazo para tomada de decisão, nem quais os métodos ´para a “perícia” – se, por exemplo, os peritos vinham ao Brasil, na situação de Tifanny. Cada equipe da seleção poderá ter somente uma jogadora trans e cada confederação nacional permanece tendo liberdade para estabelecer suas próprias normas.

Tifanny afirma que as normas são rígidas, mas diz compreender a FIVB. “Tenho impressão que eles querem dificultar, porém tirar fraudes. Muita gente acha que é apenas um ano de hormônio e já pode ir para o feminino, ou apenas ser trans e já ir. Esquece que existem regras e essas regras só vamos alcançar com um tempo de terapia ou cirurgia”, diz a jogadora.

“Não acredito que vai ter alguma mulher trans tão cedo que tenha nível igual a uma mulher cis com todas essas regras. Até porque a única em alto nível sou eu e estou abaixo de muitas atletas cis internacionais”, conclui.

- Advertisment -

Popular

Após 22 anos, Grêmio marca 8 gols em um único jogo

Tricolor repetiu resultado de 1999, pelo Gauchão A noite desta última quinta-feira (6), foi histórica. Não pela grandiosidade do oponente ou da competição, mas o...

NBA tem recorde de Raulzinho, lesão de Davis, Bush na torcida e show de Curry

Brasileiro tem sua melhor partida na NBA, pivô volta a preocupar os Lakers, e ex-presidente dos Estados Unidos vai à arquibancada Sete jogos movimentaram a...

Palmeiras vence e elimina Santos, que corre risco de rebaixamento

Com a derrota, o Santos joga sua vida na elite do futebol paulista contra o São Bento. Caso perca, o Peixe será rebaixado pela...

Fluminense empata com o Junior Barranquilla e segue líder do seu grupo

Após saga para chegar a Guayaquil, time comandado por Roger Machado consegue empate com gol do garoto Kayky Depois de uma verdadeira saga para chegar...