Pular para o conteúdo

Palmeiras vence na Argentina e fica perto de recorde do River Plate

Gol do Palmeiras contra o Defensa y Justicia — Foto: César Greco/Palmeiras

Time está invicto há 11 partidas como visitante e pode igualar marca dos argentinos na terça

Com a vitória sobre o Defensa y Justicia-ARG na terça-feira, o Palmeiras chegou a 11 partidas de invencibilidade (oito vitórias e três empates) como visitante na Libertadores.

Sem perder fora de casa desde 2019, o Verdão se isolou com a maior sequência de uma equipe brasileira na competição e está próximo do recorde do River Plate-ARG. A última derrota como visitante foi há mais de dois anos, em 2 de abril de 2019, para o San Lorenzo-ARG, ainda na primeira fase daquela edição.

Nesta sequência de 11 jogos, o Verdão fez 23 gols e sofreu apenas oito. Após a vitória na Argentina, passou o Vasco, que chegou a dez entre 1998 e 2001.

Caso não seja derrotado na próxima terça-feira, quando visita o Independiente Del Valle-EQU pela quarta rodada do Grupo A, o Palmeiras vai igualar o recorde geral do River, que ficou 12 partidas sem perder entre 2018 e 2019.

Com 100% de aproveitamento nesta edição, o Palmeiras lidera a chave com nove pontos e começa a encaminhar a classificação às oitavas de final. O time de Abel Ferreira tem cinco de vantagem para o Defensa y Justicia, atual segundo colocado da chave.

Rony supera Edmundo e caça Alex como maior artilheiro do Palmeiras na Libertadores

Rony chegou a nove gols pelo Palmeiras em Libertadores ao marcar dois na vitória sobre o Defensa y Justicia, por 2 a 1, nesta terça, na Argentina.

O atacante superou Edmundo e César Maluco com os dois gols. E igualou Ademir da Guia, Willian e Lopes na lista de goleadores do clube na competição. O acúmulo de gols já lhe permite sonhar ser o maior artilheiro do Verdão na Libertadores.

O posto é do ex-meia Alex, campeão em 1999 e dono de 12 gols na competição. A alta média de Rony, contudo, faz com que ele se torne uma real ameaça: são nove gols e nove assistências em 14 jogos do camisa 7 pela Libertadores. Isto significa que ele participa de mais de um gol a cada partida no torneio.

Candidato a Rei da América na temporada passada (prêmio vencido por Marinho), o atacante foi o artilheiro do Verdão na campanha do título com cinco gols, empatado com Luiz Adriano, e deu oito assistências, incluindo a da final, para que Breno Lopes definisse a vitória por 1 a 0 sobre o Santos.

Na edição atual, são quatro gols e uma assistência. Antes de buscar Alex, Rony precisa fazer mais dois para empatar com Tupãzinho e Borja, que dividem a segunda posição na lista.

Após a partida, o técnico Abel Ferreira fez elogios ao camisa 7, que ele diz ser um jogador que “qualquer treinador quer ter.

– Eu apenas indico caminho aos jogadores. O mérito é deles, é da equipe, é do Rony. É um jogador que qualquer treinador quer ter, intenso, técnico, que defende, que ataca… Acreditamos que o futebol moderno é isso, é intensidade, velocidade. É chegar à área, não estar na área. Ele nos dá tudo isso. Pode fazer qualquer uma das posições na frente, centroavante ou ponta. Ele aceitou o desafio da equipe técnica, mas tudo o que está a acontecer é fruto do trabalho dele, da dedicação dele e do jogo coletivo – elogiou.

Ao término do jogo na Argentina, que manteve o Verdão como líder do Grupo A com 100% de aproveitamento, Rony ainda recebeu o prêmio de melhor em campo. Foi a sexta vez que ele venceu a votação nestes 14 jogos.

 

LEIA MAIS
Palmeiras joga como campeão e vê Rony voltar a ser o cara da Libertadores