Pular para o conteúdo

Nadal é eliminado de Roland Garros por Zverev, mas adia adeus

Rafael Nadal / Rolland Garros 2024

Nadal é ovacionado em Roland Garros em partida emocionante contra Zverev

O maior vencedor da história de Roland Garros, o espanhol Rafael Nadal, voltou ao torneio que conquistou 14 vezes após ficar fora em 2023 devido a lesões que quase o tiraram de toda a temporada passada. Prestes a completar 38 anos e ocupando a 275ª posição no ranking mundial, o ex-número 1 foi derrotado na manhã desta segunda-feira pelo atual número 4, o alemão Alexander Zverev, por 3 sets a 0, com parciais de 6/3, 7/6 e 6/3, no que pode ter sido sua despedida de Roland Garros. No entanto, ele não descartou completamente um retorno em 2025.

As arquibancadas lotaram para reverenciar Nadal, com presenças ilustres da realeza do tênis: os dois tenistas número 1 do mundo, Novak Djokovic e Iga Swiatek, e o número 3, Carlos Alcaraz, estavam lá para testemunhar a volta de um dos maiores de todos os tempos.

“É difícil para mim falar, não sei se é a última vez que estarei aqui em frente a vocês. Não sei com certeza, mas se foi a última vez, para mim foi muito especial sentir o amor de todas as pessoas,” disse Nadal ao fim do jogo, enquanto era ovacionado.

Ele comentou sobre os dois anos difíceis devido a lesões e brincou que “o primeiro adversário não foi dos melhores”, elogiando a grande fase de Zverev.

“Quero parabenizar Sasha (como Zverev é chamado) por essa grande vitória. Desejo o melhor para o resto do torneio. Sei como 2022 foi um momento difícil para você,” disse, lembrando da partida entre os dois nas semifinais daquele ano, quando Zverev teve uma grave lesão no pé.

Em 2022, Nadal conquistou seu 14º título em Roland Garros. Apesar da derrota nesta manhã, ele confirmou que ainda tem metas a alcançar.

“Há uma grande chance de não jogar aqui de novo, mas não posso garantir 100%. Ainda tenho objetivos pela frente e espero estar de volta nesta quadra para as Olimpíadas,” disse ele, diante de um público que chorava e aplaudia de pé.

Nadal agradeceu à família e à sua equipe e falou sobre suas experiências em Paris.

“As sensações incríveis que senti nesta quadra por toda a minha carreira, todo o sucesso que tive aqui, ganhando tantas vezes (…). Para todas as pessoas aqui presentes, os sentimentos que vocês me proporcionaram são inesquecíveis. Espero vê-los de novo,” disse ele, antes de agradecer em francês: “Merci beaucoup.”

O resultado da partida não diminuiu a comoção na quadra central. Cada jogada de Nadal era celebrada como se fosse um gol. Quando ele conseguiu quebrar o saque de Zverev no meio do segundo set e no início do terceiro, a comemoração foi digna de final de campeonato. O Rei do Saibro mostrava que seu condicionamento físico já não era o mesmo, mas ainda era capaz de lances de genialidade.

O jogo começou difícil para o espanhol, que perdeu o primeiro game sem pontuar e teve seu saque quebrado. Zverev devolvia cada bola com rapidez e precisão, quebrando o serviço de Nadal sem permitir uma reação. Em seguida, o alemão confirmou seu saque e controlou o jogo, quebrando o serviço de Nadal mais uma vez para fechar o set em 6 a 3.

A torcida, mais barulhenta do que o usual no tênis, continuou incentivando e vibrando com o espanhol. Nadal voltou para o segundo set com mais potência nos golpes. No quinto game, ele quebrou o serviço de Zverev e ultrapassou o alemão no placar pela primeira vez. A arquibancada explodiu e Nadal, conhecido como Touro Miúra, gritou junto com a torcida. Ao longo do set, acertou um ace e belas paralelas e cruzados, mas teve seu saque quebrado novamente, levando o set para o tie-break. Zverev impôs seu jogo e fechou o set em 7 a 6, com 7/5 no tie-break.

Nadal começou o terceiro set com força, quebrando o serviço de Zverev e abrindo 2 a 0. Mas o alemão se recuperou e virou o jogo. Nadal ainda brindou a plateia com um belo voleio, mas no fim, Zverev fechou em 6 a 3. Para o público, a derrota de Nadal não foi um balde de água fria. Vê-lo em ação na quadra central de Roland Garros, independentemente do resultado, já foi um presente.

Marcações: