Home Futebol Confira os motivos que afundaram o Barcelona de Messi

Confira os motivos que afundaram o Barcelona de Messi

PSG e Barcelona se enfrentam na tarde desta quarta-feira; veja provável escalação do time catalão

Segundo maior vencedor da Liga dos Campeões da Europa neste século, o Barcelona pode protagonizar hoje uma despedida melancólica da competição que venceu quatro vezes desde 2006.

A menos que goleie o PSG por pelo menos quatro gols de diferença (ou vença por três tentos de vantagem, com placar maior que 4 a 1), dentro da França, a equipe de Lionel Messi irá embora da competição interclubes mais importante do planeta ainda nas oitavas de final.

Desde 2007, quando foi derrotado pelo Liverpool exatamente nessa fase, o clube catalão não é eliminado tão cedo da Champions. Só que mesmo normalmente indo longe no torneio, o Barça tem acumulado vexames nas últimas temporadas. O maior deles, sem dúvidas, foi a derrota por 8 a 2 para o Bayern de Munique, nas quartas da edição passada.

O Blog do Rafael Reis, divulgado na íntegra no site do UOL Esporte, apresenta alguns dos motivos que levaram o Barça ao “fundo do poço”.

Deixar Neymar ir embora

Neymar foi contratado pelo Barcelona para ser o protagonista jovem do clube e com o passar do tempo herdar a coroa de astro máximo que pertencia (e continua pertencendo) ao argentino Lionel Messi. Só que a diretoria culé não conseguiu convencer o camisa 10 da seleção brasileira a esperar que essa transição se completasse. Em 2017, o PSG pagou os 222 milhões de euros (R$ 1,5 bilhão na cotação atual) da multa rescisória do atacante e o levou para ser o dono do time na França. Apesar do dinheirão que recebeu, o Barça ficou sem o cara que garantiria o futuro da equipe e foi se tornando cada vez mais dependente de Messi, que agora já tem 33 anos e cansou de carregar “sozinho”.

Fortuna mal gasta

O Barça poderia ter aproveitado a grana da venda de Neymar para encontrar no mercado da bola outro atleta capaz de fazer diferença dentro de campo, decidir partidas e reduzir a sobrecarga de Messi. Só que os principais tiros dados pelo clube passaram longe do alvo. Depois da saída do brasileiro, o Barça gastou 415 milhões de euros (R$ 2,9 bilhões) só na aquisição de três candidatos a novas estrelas: Philippe Coutinho, Antoine Griezmann e Ousmane Dembélé. Os três reforços milionários não renderam como o esperado, jamais caíram nas graças da torcida e até passaram um tempo no banco de reservas.

Escolhas conservadoras

Definitivamente, o Barcelona não buscou uma um novo caminho quando tudo estava dando errado. Todos os treinadores contratados desde a saída de Guardiola, em 2012, tinham alguma conexão anterior com o clube, nem que fosse na questão da ideologia do futebol (caso de Quique Setién). Faltou à diretoria culé coragem para romper velhos laços, buscar nomes já consagrados em outros países da Europa, como Inglaterra, Alemanha ou Itália, e arriscar com técnicos que levariam realmente algo de novo ao Camp Nou.

Diretoria tóxica

A diretoria do Barça entrou em conflito com o maior jogador da história do clube: Messi. Por essa e outras, a gestão de Josep María Bartomeu é vista praticamente como uma unanimidade no ponto de vista de desastre. Para completar, o dirigente que comandou o Barça entre janeiro de 2014 e outubro de 2020, ainda foi preso na última semana. O cartola teria contratado uma consultoria especializada em gestão de dados e redes sociais e desviado sua função para espalhar fake news sobre seus principais opositores, como Messi e Joan Laporta, eleito no domingo o novo presidente culé.

Pandemia

É claro que a pandemia acabou afetando as finanças de todos os clubes do planeta. No caso do Barcelona, o estrago foi bem maior que a média. Com o fechamento do estádio e do museu, muito dinheiro deixou de entrar nos cofres blaugranas, e a dívida do Barça foi às alturas. Só em contas que precisam ser quitadas até junho, a agremiação deve incríveis 730 milhões de euros (R$ 5 bilhões).

Veja a provável escalação do Barça para o jogo de hoje

Barcelona: Ter Stegen; Mingueza, Lenglet, Samuel Umtiti; Dest, De Jong, Busquets, Alba; Pedri; Messi, Griezmann. Técnico: Ronald Koeman.

PSG e Barcelona se enfrentam na tarde desta quarta-feira (10), às 17h (de Brasília), no Parc des Princes.

LEIA MAIS

Joan Laporta é eleito presidente do Barcelona

- Advertisment -

Popular

No Fluminense, Martinelli vai para 1ª Libertadores com Europa de olho

Titular absoluto com apenas 19 anos, volante recebe sondagens de clubes da Inglaterra antes do torneio de maior vitrine Em cinco meses, tudo pode mudar....

Anderson Silva reconhece favoritismo de Julio Cesar Chávez Jr. em confronto do dia 19 de junho

Spider exalta oponente, mas vê chance de conseguir nocaute Depois de deixar o Ultimate, Anderson Silva assinou contrato para enfrentar Julio Cesar Chávez Jr. em...

Miami bate Lakers e vence a quinta em seis jogos

Time da Califórnia não é páreo para Butler e Oladipo, que deixa a quadra com lesão no joelho Jogando em casa, o Miami Heat completou...

F1 2021: salário de Hamilton encolhe R$ 57 mi, mas ainda é o maior

Receita do atual campeão cai de R$ 225 milhões, em 2020, para R$ 168 milhões no novo contrato; Vettel também tem redução drástica com...