Pular para o conteúdo

Miami Heat: após novela e contrato de US$ 13 milhões, clube anúncia “fico” de Olynyk

    KIM KLEMENT-USA TODAY SPORTS

    Pivô entra no último do contrato com a franquia e aceitou continuar no time recebendo US$ 13 milhões

    Nesta quarta-feira (18), Kelly Olynyk exerceu sua player option e jogará pelo Miami Heat na temporada 2020/2021. O pivô receberá US$ 13 milhões no último ano do seu contrato atual, segundo informações de Adrian Wojnarowski, jornalista da ESPN.

    Olynyk foi peça fundamental na última temporada do Heat, que foi vice-campeão da liga, principalmente na reta final da bolha. Em toda temporada, o canadense teve média de 8,2 pontos e um aproveitamento de 40,6% da linha de três, sendo esse o melhor desempenho da carreira.

    Após a próxima temporada, o pivô ser torna agente livre após cumprir seu contrato que era de quarto temporadas e recebendo US$ 50 milhões. Pelo time da Flórida, ele atuou 222 vezes e foi titular em 67 partidas.

    O Miami Heat entrou no NBA Draft de quarta-feira com a 20ª escolha geral, e manteve essa seleção para adicionar ao seu núcleo jovem.

    O Heat selecionou Precious Achiuwa com a 20ª escolha no draft deste ano, que foi conduzido virtualmente em meio à pandemia COVID-19 do campus da ESPN, em Bristol, Connecticut.

    Tecnicamente, Miami não foi autorizado a negociar a seleção da primeira rodada deste ano porque sua escolha da primeira rodada de 2021 já foi negociada como parte da negociação de Goran Dragic, e a NBA não permite que as equipes fiquem sem futuro consecutivo primeiro picaretas redondas. Mas o Heat poderia ter feito uma troca pré-combinada para convocar um jogador e imediatamente transferi-lo para outro time.

    Em vez disso, o Heat usou sua escolha de primeira rodada para fortalecer sua rotação. Achiuwa (6-9, 225), que fez 21 anos em setembro, teve uma média de 15,8 pontos ao arremessar 49,3 por cento em campo e 13 de 40 em três, 10,8 rebotes, uma assistência e 1,9 bloqueios como calouro em Memphis na última temporada para ganhar o Prêmio AAC de Jogador do Ano.

    “Eu sou um tipo de jogador muito, muito competitivo,” Achiuwa disse sobre seu ajuste no Heat. “Eu também sou agressivo. Gosto de jogar muito agressivo. Eu também sou corajosa. É isso que eu quero, estar lá fora fazendo o que for preciso para ganhar jogos de bola, e apenas aquela agressividade, aquela coragem e tudo o que é preciso para vencer um jogo de basquete.

    LEIA MAIS