Home Futebol Mbappé e Neymar usam estratégia de “arco e flecha” para explorar a...

Mbappé e Neymar usam estratégia de “arco e flecha” para explorar a defesa do Bayern

Craques do PSG fazem movimentos complementares de armar o jogo e buscar a área

Dos vinte e dois jogadores em campo, dois podem usar as mãos, onze se dividem em cada equipe e apenas um tem a bola sob controle nos pés. É esse o jogador central da jogada. Ainda sim, ele tem relativamente pouca coisa para fazer: ou passa a bola para alguém, ou chuta ao gol. Na vitória do PSG sobre o Bayern, na tarde de ontem (7), a lógica foi usada por Maurício Pochettino para transformar Mbappé e Neymar em “arco e flecha” na defesa do rival. A dupla de craques do PSG criou jogadas, participou dos três gols e promoveu um interessante revezamento entre quem tinha a bola e quem dava a opção de passe.

O PSG iniciou o jogo num 4-2-3-1 teoricamente sem centroavante. Mbappé era o atleta mais avançado, com Neymar como meia central e Draxler e Di Maria pelos lados. Depois da saída de Marquinhos, Diallo virou zagueiro e Ander Herrera não alterou o esquema. Mesmo esquema do Bayern, mas com outra dinâmica: Muller mais avançado, com Choupo-Moting ao lado.

Jogar sem centroavante de ofício não é certo e nem errado. É mais uma forma de encarar a partida. O desafio é como a equipe se organiza para desarticular a defesa do rival. Fora de casa, o PSG sinalizou que não faria um duelo de imposição, mas que também não ficaria no contra-ataque.

O meio-termo entre reativo e propositivo era uma marca do Tottenham de Pochettino, que reprisa alguns movimentos que aconteciam com Lucas Moura e Son na dupla Neymar e Mbappé. Rápidos, inteligentes e talentosos, os dois faziam um revezamento: se um tinha a bola ou saía e buscava do companheiro, o outro ficava entre os zagueiros do Bayern, dando profundidade.

Mas que revezamento, o PSG inteiro tinha como missão explorar a linha defensiva do Bayern, que sobe, sobe e sobe até estar próximo do meio-campo. O pró é que o time bávaro fica mais compacto para roubar a bola. O contra é que se o rival sai rápido e tem opções de passe entre os zagueiros, qualquer bola não roubada é uma ameaça.

Foi o que aconteceu no primeiro gol: Neymar roubou a bola, tocou para Di Maria e Mbappé se posicionou na cola do zagueiro mais lento do Bayern. Ele é a melhor opção de passe quando Neymar rompe após receber de Di Maria, já com um zagueiro atrás dele.

Em outro lance, quem busca a bola é Mbappé. O que Neymar faz? O mesmo movimento: se posiciona nas costas do zagueiro, com o corpo inclinado e virado para o gol, esperando um passe no ponto futuro para correr e receber livre.

E quando era outro atleta com a bola? Os dois davam profundidade! Com muito mais posse e volume de jogo, o Bayern amassou e exigiu muito de Navas. Mas o PSG jamais pareceu acudido pois sempre que tinha a bola, havia uma ou duas opções no limite da linha de defesa. Atletas prontos para receber a bola no ponto futuro, correr e enganar Sule e Alaba, que o tempo todo foram batidos.

A construção do terceiro gol que decidiu a partida começou assim: Neymar e Mbappé dando profundidade para a bola que começa a ser tocada na defesa. Era assim que Son, Kane, Lucas Moura, Lamela e tantos jogadores da passagem de Pochettino no Tottenham também jogavam. Um gol clássico é o de Son contra o City no frenético 3 a 4 que tirou o Manchester City da Liga dos Campeões 2018/19: a jogada começa lá na defesa, o meio-campo toca rápido e o revezamento acontece. Eriksen tem a bola, Son se projeta nas costas do defensor.

Uma espécie de arco e flecha que torna a equipe muito direta: há sempre uma opção de um passe que quebre linha, que pegue a defesa de costas ou que avance muitos metros em campo. Não é contra-ataque: é jogo de profundidade, de colocar a bola, pelo chão, sempre nas costas dos defensores.

Se o PSG avançar contra o Bayern, são grandes as possibilidades do reencontro de Pochettino e Guardiola, com Neymar e Mbappé prometendo atazanar qualquer defesa que venha pelo caminho.

LEIA MAIS

Eliminatórias Europa: Alemanha desperdiça chances e perde para a Macedônia

- Advertisment -

Popular

No Fluminense, Martinelli vai para 1ª Libertadores com Europa de olho

Titular absoluto com apenas 19 anos, volante recebe sondagens de clubes da Inglaterra antes do torneio de maior vitrine Em cinco meses, tudo pode mudar....

Anderson Silva reconhece favoritismo de Julio Cesar Chávez Jr. em confronto do dia 19 de junho

Spider exalta oponente, mas vê chance de conseguir nocaute Depois de deixar o Ultimate, Anderson Silva assinou contrato para enfrentar Julio Cesar Chávez Jr. em...

Miami bate Lakers e vence a quinta em seis jogos

Time da Califórnia não é páreo para Butler e Oladipo, que deixa a quadra com lesão no joelho Jogando em casa, o Miami Heat completou...

F1 2021: salário de Hamilton encolhe R$ 57 mi, mas ainda é o maior

Receita do atual campeão cai de R$ 225 milhões, em 2020, para R$ 168 milhões no novo contrato; Vettel também tem redução drástica com...