Pular para o conteúdo

A história da Camisa Real Madrid

    Camisa Real Madrid

    A história dos clubes é rica em muitos detalhes. Um desses casos é da camisa Real Madrid. Uma das mais tradicionais do futebol e que ao longo do tempo contou com muito pouca variação. Entenda os motivos disso e a origem por trás do manto do que foi considerado o melhor clube do século XX pela FIFA, em 2000.

    Como tudo começou

    Hoje, o Real Madrid é um dos clubes com a maior torcida do Mundo. O time tem adeptos por todos os continentes, em centenas de países.

    Realidade muito diferente do que quando começou, lá em 1897. Na ocasião, Madrid tinha apenas o Foot-ball Sky. No entanto, o clube passou por dificuldades financeiras em um momento, que ainda tentava conquistar apoiadores e atrair simpatizantes.

    No entanto, o idealizador Julián Palácios não desistiu da ideia, mesmo com a falência em 1900. Pouco tempo depois ele se juntou aos irmãos Juan e Carlos Padrós, além de outros membros do antigo clube. Essa união resultou em 6 de março de 1902 no Madrid Foot Ball Club.

    Primeira camisa Real Madrid

    Apesar do nome não ser o que é utilizado hoje, a história da camisa do Real Madrid começou naquele momento.

    Para chegar a uma definição foi realizada uma Junta Diretiva, que além de definir o Presidente do Clube, que seria Juan Padrós, escolheu o primeiro uniforme.

    Para tomar esta decisão, os membros se inspiraram no clube inglês Corinthian. O mesmo que serviu de inspiração para o nome do clube brasileiro Corinthians.

    A camisa adotada, portanto, seria branca. Já o calção e as meias seriam azul-escuros. Já o uniforme reserva repetiria a camisa branca, mas com calção e meias pretas. Pouco tempo depois, o branco também foi adotado para o calção principal.

    Mudança decisiva

    Só que apesar de vermos o branco até hoje, nem sempre foi assim. A inspiração no Corinthian seguia viva e o clube de Londres passou a contar com uma camisa bege e calção preto. O uniforme encantou o atacante Santiago Bernabéu de Yeste, o mesmo que deu origem ao nome do estádio do Real Madrid.

    Ele atuou entre 1911 e 1928 no clube espanhol e após uma viagem ao Reino Unido pediu a diretoria para mudar o uniforme e seguir o modelo do Corinthian.

    Após muita insistência, ele e os demais jogadores conseguiram a alteração. Só que isso não duraria muito. Em 1926, já com as novas cores, o clube foi atropelado pelo Barcelona, pelas quartas de final da Copa do Rei, com derrotas por 5 x 1 e 3 x 0. O Presidente do Madrid então tomou a decisão que essa camisa nunca mais seria utilizada pelo clube.

    A vez do Branco

    A mudança emblemática e decisiva aconteceria em 1955. Naquele momento o Real Madrid deixava de usar as meias azuis e finalmente usaria um uniforme totalmente branco.

    A alteração ocorreu justamente no período que o clube conquistou a Copa dos Campeões da Europa por cinco vezes consecutivas. Todo o brilho de Di Stéfano e Puskas ajudou, portanto, ao uniforme cair no gosto popular e se tornar oficial e definitivo.

    Novas mudanças

    A partir dos anos 80, o Real Madrid passaria a deixar de ter a camisa totalmente branca. Isso porque foi preciso abrir espaço para patrocinadores. Por mais que os uniformes na Espanha não sejam tão poluídos com dezenas de marcas, isso foi o suficiente para ter uma diversidade de cores.

    A primeira marca foi a Zanussi, que contava com letras pretas. Este tom, assim como o azul, foram os mais utilizados para apresentar os patrocinadores. Outro detalhe adicionado foram as representações da Adidas. Entre elas, a de maior impacto, que são as três linhas, que já foram pretas, azuis e roxas.

    Cores presentes

    Como a camisa Real Madrid é branca, o clube passou a usar as demais cores nos uniformes 2 e 3. Mais recentemente até camisa 4 foi criada.

    Nestes modelos todos os anos acontecem transformações e aparecem modelos com cores bem variadas. O clube já teve laranja, roxo, preto, cinza e muito mais. Só que apesar das cores diferentes, a camisa segue com modelo idêntico a número 1.

    Mudanças do escudo

    Outra transformação na camisa Real Madrid ocorreu em 1920. Naquele ano, o Rei da Espanha, Alfonso XIII deu o título de Real ao clube. Isso foi adicionado ao escudo através da coroa. Isso alterou também o nome do time, passando a ser Real Madrid Foot-ball Club.

    Curiosidades da camisa Real Madrid

    Como você acompanhou acima, a história do Real Madrid conta com capítulos importantes para chegar ao que vemos hoje. Confira na sequência as curiosidades mais marcantes do uniforme.

    1. O uniforme branco, com mais azuis teve como inspiração o Corinthian. Um clube inglês famoso, que acabou servindo de inspiração para o Corinthians Paulista.
    2. Ao longo do tempo, o uniforme do Real Madrid chegou a ter variações por alguns períodos. Entre elas estavam a adoção de meias pretas, azuis e até calão preto. Já contou também com uma faixa laranja no uniforme. As constantes variações acabaram após derrotas nos clássicos contra o Barcelona, quando o branco voltou a ser predominante.
    1. A década de 50 foi a decisiva para o Real Madrid passar a ser totalmente branco. Foi nesta época que o clube parou de variar nas cores dos meiões, os últimos a finalmente adotarem o branco em definitivo.
    2. Como não se pode mexer muito na camisa número 1, apenas com detalhes dos fornecedores e escudos, o Real Madrid foca na diversidade das cores nos uniformes reservas. Por isso, você encontra camisas do Real laranja, preta, azul, vermelha e muito mais.
    3. Os patrocinadores foram adicionados na década de 80, acabando com o domínio absoluto do branco nas camisas.

    O Real Madrid

    O Real Madrid é um dos clubes mais populares do Mundo. É também o maior vencedor da história da Champions League, com 14 títulos. Venceu o Campeonato Espanhol 35 vezes e levantou a taça da Copa do Rei em 19 oportunidades.

    Ao longo do tempo, a camisa Real Madrid só teve três fornecedores. Começou com a Adidas em 1980, indo até 1985, e depois retornando em 1998 e ficando até hoje. Contou com a Hummel entre 1985 e 1994 e a Kelme entre 1994 e 1998.

    Marcações: